quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Luz, sombra e sombra

"Nosferatu, eine Symphonie des Grauens" (1922) de Friedrich W. Murnau

"Ne change rien" (2009) de Pedro Costa

4 comentários:

Sabrina Marques. disse...

Ahahaha!
Já tinha pensado em tantas ligações de sombra óbvias com esta silhueta do von Orlok...
...por exemplo
- Nosferatu e Night of the Hunter ( Charles Laughton)
ou
- Nosferatu e M (Fritz Lang)
ou
- Nosferatu e Catpeople (Tourneur)
ou
- Nosferatu e Dracula (Coppola)
ou
- Nosferatu e I walked with a zombie (Tourneur)

etc
...mas desta associação confesso que estava MUITO longe!
:D

Luís Mendonça disse...

Sim, basicamente o trabalho de luz e sombra (e sombra) do Murnau apadrinhou todo o "film noir".

Mas eu sempre achei a Balibar mui vampiresca - tal como a Vanda... - e o "Ne change rien" é, aos meus olhos, um exercício entre a escuridão total e o progressivo aclaramento da imagem (até ao final, luminoso e festivo, o mais optimista do Costa, provavelmente). É, nessa perspectiva, tão ou mais expressionista que um... "O Sangue" - digamos que este é mais "noir" e "Ne change rien" é, para mim, mais "Murnau" ou "Murnoir", hehehehhe... Ok ando a ler Kerouac a mais e já ando a inventar palavras...

Sabrina Marques. disse...

Nunca se lê Kerouac a mais!

Luís Mendonça disse...

Dizes bem, dizes muito bem. Adoro o tipo ou, como diz o Kerouac, o féla.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...